"Anjo Adormecido"

di Autora Maria José dos Santos Ferreira

 

 

 

 

 

 

 

"Anjo Adormecido"

As palavras do amor expiram como os mais lindos versos de um doce poema.

Com eles adoço as amarguras e embalando os pensamentos solitários.

Dos vagos clarões do dia e o vapor do perfumes das orquídeas que dispersas vidas.

Mas que vida! Não têm vida nas existências que invento;

Sem esplendor sem luz.

E o vagos sussurrar no silencio, no clamor do pensamento.

Cedo morto, ânsia breve, universos de pó, que o sopro espalha ao vento, raios de sol, no oceano entre as águas imersas.

Que trás a chuva para inundar minha mente e regar minhas idéias.

As palavras da fé vivem um só momento.

Mas as palavras más, as do ódio e do despeito prevalecem.

O "não!" que desengana o "nunca!" que alucinam, as da esperança continua.

As risadas abrasam-nos o ouvido e entram-nos pelos e ficam no coração.

Numa inércia assassina, Imóveis e imortais, como pedras geladas...

Que domes um anjo adormecido.

Mas que, num sussurro a umedecida Terra desperta.

Ouve o clamor dos sons e enleva as estrelas que, no alto à noite levam presas...

São meus versos.

Palpita a minha vida neles, falas que, a saudade eleva, de meus sonhos que vão, rompendo a treva, encher teus sonhos, anjo adormecido.

Dormes, com a face em lagrimas sob, no travesseiro com o cabelo negro e solto escondes a face oculto no silencio da noite adormeces...

Acorda sai correndo...

Por que surge tão cedo à luz do novo dia.

Atora: Maria José

Pubblicato lunedě 30 settembre 2013

PAROLE CHIAVE: Poesie

Schede correlate

I piů visitati